Menu fechado

Poesia, palavra, ritmo e poetas

A poesia tem um poder libertador e de inspiração que são transformadores , não é mesmo? 

 

É  um tipo de literatura baseada na interação de palavras e ritmo. Geralmente, emprega rima e um conjunto de regras que regem o número e o arranjo das sílabas em cada linha. Na poesia, as palavras são unidas para formar sons, imagens e ideias que podem ser muito complexas ou abstratas para serem descritas diretamente.

 

No passado, a poesia já foi escrita de acordo com regras bastante rígidas de métrica e rima, e cada cultura tinha suas próprias regras. Embora essas formas clássicas ainda sejam amplamente utilizadas hoje em dia, os poetas modernos, freqüentemente, acabam com as regras – seus poemas geralmente não rimam e não se encaixam em nenhum medidor em particular. Esses poemas, no entanto, ainda têm uma qualidade rítmica e buscam criar beleza através de suas palavras. Este ritmo poético consiste na divisão do tempo e do espaço em intervalos iguais, por meio da repetição de sílabas tônicas ou átonas ou não possui um período fixo, ou seja, ele pode ser assegurado por diferentes formas que podem ser combinadas de maneiras variadas. 

 

Selecionamos dicas de livros de poesias incríveis dos poetas da Pod Editora! 

 

Boa Leitura! 

 

“Era uma vez um poeta …”

 

O livro de Sérgio Mattos, reúne poesias inspiradas em pessoas, momentos e histórias vividas. “Punk Chic Chanel” e “Castelos de Sonhos” são alguns dos 33 poemas escolhidos pelo autor, que usou a moda como inspiração. O livro tem prefácio escrito pelo ator Cauã Reymond, uma das descobertas de Sérgio, considerado o maior descobridor de talentos da moda nacional. 

 

Clique no link: https://bit.ly/31zv3u3

 

Sérgio Mattos é uma referência no mundo fashion. Conhecido por ser o principal scouter e revelar os principais talentos da indústria da moda, Serginho, como é chamado, é baiano de Iguaí. Veio para o Rio com apenas sete anos de idade. Na Cidade Maravilhosa, nos anos 80, ingressou no curso de jornalismo na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), tempo em que se dividia entre experimentar as carreiras de ator e modelo. Serginho cursava faculdade e trabalhava na icônica grife Yes Brazil quando foi convidado para gerenciar e formar a equipe da loja carioca, em São Paulo. Foi por lá que a carreira de caça-talentos começou. E não parou mais.

 

“Homenagens Poéticas a Portelenses”

 

O autor Debrito Rodrigues prestigia com poesias a Escola de Samba Portela, que é ilustre representante da nossa Cultura Popular. Eles prestigia algumas personalidades que muito fizeram pela Portela. O autor recebeu o apoio da poetisa Simone Nascimento, sua esposa, a fim de que a obra se tornasse um livro de difusão desta valiosa arte da nação brasileira.

 

Clique: https://bit.ly/3eQo97B

 

O escritor homenageia à Portela com sua rica história. “À Velha Guarda da Portela, visto ser mais do que um conjunto de artistas e um verdadeiro sinônimo de enciclopédia das melhores tradições do samba, a Marquinhos de Oswaldo Cruz, pela confiança depositada em mim e o entusiasmo pelas homenagens a pessoas ligadas a sua amada Escola de Samba e a seu querido bairro, além de Paulo Benjamim de Oliveira (Paulo da Portela), Antônio Caetano, Antônio Rufino e todos os seus colaboradores pela criação desta majestosa Instituição, que ao longo dessas décadas tanto dignificou os valores de nosso povo pelo despertar de ideias, ações criativas, pujante interação social com um rico desenvolvimento poético, que acalma e acelera nossas emoções”, diz o autor.

 

“Pensamentos de uma borboleta”

 

É um encantador livro de poesias de Elis Cândido. Este livro não é só mais um livro que você vai ler rapidamente e colocar de volta na sua estante. Tal obra tem o poder de fazer chorar, rir, emocionar e expressar sentimentos como raiva, paixão, e até mesmo a recordação de um ente querido que se foi e, sobretudo romantismo, muito romantismo.

 

Clique: https://bit.ly/3gevLkv

 

Não é a toa que a autora tem o mesmo nome da cantora brasileira – Elis, de Elis Regina.

 

Ela é igualmente baixinha, cabelos pretos bem cuidados, inteligente, genial e geniosa – quando lhe convém.

 

Conhecendo Elis Cândido, você perceberá que a sua candura e meiguice são fontes de inspiração para ótimos textos e poesias de boa qualidade.

 

Ela é capaz de falar de “Solidão”, de “Abismos”, de um “Copo Vazio”, das “Incoerências do Amor” da mesma forma que, por acaso, nos pede “Perdoa-me”.

 

Incorpora uma alma de “Manequim” dentro de uma vitrine de tal forma que nos apaixonamos pela sua alma artificial.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.